Que Sou Eu?

QUE SOU EU?

Pergunta: Nasci com um certo temperamento, um certo padrão psicológico
e físico, qualquer que seja a sua razão de ser. Esse padrão se torna o
principal fator da minha vida. Domina-me de maneira absoluta. Minha
liberdade, dentro do padrão, é muito limitada, visto que a maioria das
minhas reações e impulsos são rigidamente predeterminados. Posso
quebrar a tirania desse fator genético?

Krishnamurti: Expressando a mesma coisa, de outra maneira: Estou preso
num padrão social, hereditário, ambiental, ideológico, quer seja o
padrão dos meus pais, quer seja o da sociedade que me rodeia. Estou
tolhido por um padrão, e a questão se cinge em saber como o poderei
quebrar. Sou o resultado do meu pai e da minha mãe, biologicamente,
fisicamente. Sou o resultado das crenças, dos hábitos, dos temores dos
meus pais, os quais criaram a sociedade que me circunda. Meus pais,
por sua vez, foram o resultado dos seus pais, com o seu ambiente
social, físico, psicológico, e assim, retrospectivamente,
infinitamente, sem começo. Toda pessoa está presa dentro de um padrão
de existência, e eu sou o resultado de todo aquele passado – não
apenas o meu passado próprio, mas todo passado da humanidade. Sou,
afinal de contas, o filho de meu pai. Sou o resultado do passado,
modificado, em conjunção com o presente. Não estamos aventando a
questão da reencarnação, que é uma mera teoria. Estamos apenas
examinando o que realmente é. Minha existência é resultado do meu
passado, sendo o meu passado o resultado da existência de meu pai. Sou
produto do tempo, sou o passado atravessando o presente para se tornar
o futuro. Sou o resultado de ontem, que é o hoje a tornar-se amanhã.

Ora, posso sair desse processo do tempo, isto é, posso quebrar o
padrão que meu pai e eu mesmo criamos? Não sou diferente de meu pai;
sou meu pai, modificado. Isto é, exatamente, o que é. Mas, se começo a
traduzir o que é, se admito, por exemplo, a idéia de que sou a alma,
uma entidade espiritual, penetro então num domínio de todo diferente.
Não é isso que nos interessa, por ora – trataremos desta questão
quando entrarmos no problema relativo à alma, à continuidade, à
reencarnação. O problema, por enquanto, é: Posso eu, que sou
condicionado – não importa se pela esquerda ou pela direita – posso eu
sair desse condicionamento?!

Que é que vos condiciona? Que é que limita o pensamento? Que é que
cria o padrão em que estais presos? Se cesso de pensar, não existe
padrão algum. Isto é, eu sou o pensador, meus pensamentos são o
resultado de ontem; eu reajo a todo estímulo novo de acordo com o
padrão de ontem ou do segundo que acaba de passar; e posso eu, cujo
processo de pensamento é resultado de ontem, deixar de pensar em
termos de ontem? Estou apenas explicando o problema de modo diferente,
e vós mesmos encontrareis a sua solução num minuto. Meu pensamento
está condicionado, porque qualquer reação procedente do estado de
condicionado cria mais condicionamento; toda ação resultante do estado
de condicionamento é ação condicionada, que, por conseguinte, dá
continuidade ao estado condicionado. Logo, para dele sairmos,
precisamos estar livre do processo de pensar – mas não se deve
entender que eu esteja sugerindo isso como um meio de fuga. A maioria
das pessoas procura fugir porque a vida lhes é muito premente, muito
forte, muito exigente. Não estou propondo uma dessas fugas; estou
apenas a pedir-vos para que olheis para a verdade contida no problema.
Podeis ficar livres do processo de pensar? Pode ocorrer uma revolução
completa no pensar – não de acordo com o antigo padrão, o que seria
uma continuação do velho, com valores modificados – mas uma
transformação completa, uma quebra total do que é? Visto que sou o
produto de ontem, a liberdade, evidentemente, não está no mesmo nível
em que estou, o qual é uma mera continuação do ontem. Assim sendo, só
poderei sair do padrão quando houver a cessação do pensar.

Estamos apenas encarando o problema, e não buscando uma solução.
Porque a solução está contida no problema, e não fora dele. Se
compreenderdes o problema, encontrareis a solução nele próprio; mas
quando buscais uma solução e a não encontrais, ficais perturbado.
Estais à espera de que eu vos diga como se sai do padrão. Não vou
dizer-vos como se sai dele; nenhuma significação teria o dizê-lo,
porque em tal caso deixaríeis de acompanhar o problema. Queríeis que
eu vos dissesse o que deveríeis fazer, e por isso estais agora muito
perturbado. Não vos digo o que deveis fazer, uma vez que basta
compreender o problema para que ele desapareça. Quando vedes uma
serpente e sabeis que ela é venenosa, não existe problema algum,
existe? Sabeis como proceder – não tocá-la, afastar-se, ou fazer
qualquer outra coisa. Identicamente, é necessário que compreendais de
maneira completa este problema; mas não o estais fazendo. Eu o estou
fazendo no vosso lugar, e vós estais meramente a escutar-me.
Precisamos compreender o problema, e não perguntar como resolvê-lo.
Quando compreendeis o problema, ele mesmo vos revela a solução. Sois
como um colegial em exame. Ele não lê o problema cuidadosamente: quer
a solução; e por isso falha. Mas, se lê o problema com todo o vagar,
com todo o cuidado, considerando-o sob todos os aspectos, encontrará a
solução, ou, antes, a solução se lhe revelará.

De modo idêntico, vós estais encarando este problema com o desejo de
uma solução. Julgo que não percebeis a beleza nele contida.
Provavelmente estais cansados, senhores.

Voz do auditório: Não.

Krishnamurti: Sim, senhores, estais cansados. Eu vos direi porque.
Tudo isso é provavelmente muito novo para vós, nem o pode deixar de
ser, pois é uma maneira de toda nova de considerar; estais um pouco
perturbados, e quando estamos confusos ou perturbados, a nossa mente
divaga. Posso continuar; é minha tarefa; mas eu fiz isso, não falo
apenas. Enquanto, no vosso caso, senhores, se me permitis dizê-lo, vós
não estais estudando o problema. Eu o formulei por maneiras
diferentes, mas vós não quereis seguí-lo. Estou simplesmente apontando
o que é, – o problema. Mas não estais interessados em estudar o que é.
Estais esperando pelo resultado, ao passo que eu não tenho interesse
pelo resultado.

Eu quero a coisa como ela é – por isso encontrei a solução.

Permiti-me, pois, tornar a pedir-vos que estudeis o problema, e que
não procureis uma solução. Vede, por favor, a importância que isso
tem: procurar uma resposta, uma solução, não significa compreender o
problema; e se não compreendeis o problema, não haverá solução para
ele. O problema está aqui, e vós procurais a solução ali, o que
significa que desejais uma solução conveniente, lisonjeira. Mas se
encarardes o problema com todo o vosso cuidado, aplicando-lhe toda a
vossa inteligência, percebereis, então, a sua beleza, e o resultado é
maravilhoso.

O problema, pois, consiste no seguinte: meu pensamento está
condicionado, fixado num padrão; e a qualquer estímulo, que é sempre
novo, o meu pensamento só pode reagir de acordo com o seu
condicionamento, transformando o novo no velho, modificado. Desta
maneira, o meu pensamento nunca pode ser livre. Meu pensamento, que é
produto do ontem, só é capaz de reagir nas mesmas condições de ontem,
e quando ele indaga "Como posso passar além?" está fazendo uma
pergunta errônea. Porque, quando o pensamento tenta superar o seu
próprio condicionamento, dá continuidade a si mesmo, sob forma
modificada. Por conseqüência, há falsidade nessa pergunta. Só há
liberdade quando não existe condicionamento; mas para que haja
liberdade, deve o pensamento ficar cônscio da sua condição, e não
tentar tornar-se diferente do que é. Se o pensamento diz: "Preciso
libertar-me do meu condicionamento", nunca o conseguirá; pois, o que
quer que faça é sempre a sua própria rede, prolongada ou modificada. O
pensamento só pode fazer uma coisa para ser livre: cessar. Sem dúvida,
sempre que o pensamento está ativo, está condicionado, é continuidade,
modificada por uma reação condicionada. Por esse caminho não
encontraremos saída alguma do nosso condicionamento. Por conseguinte,
só existe um caminho, o qual é vertical, o qual é direto: cessar o
pensamento.

Mas, pode o pensamento cessar? Que é pensar? Que entendemos por
pensar? Entendemos por pensar a reação da memória. Estou-me
expressando por maneira muito simples. Não desejo complicar o
problema, já de si mesmo muito complexo. Pensar é reação da memória; e
que é memória? Memória é o resíduo da experiência. Isto é, quando se
nos apresenta um estímulo, o pensamento de ontem, que é memória, reage
a esse estímulo, e por conseguinte esse estímulo não é compreendido
perfeitamente, porém interpretado através da cortina de ontem. Assim,
pois, aquilo que não é compreendido deixa um vestígio, a que chamamos
memória. Já não notastes que, quando compreendestes alguma coisa,
quando esgotastes uma conversa, quando ela ficou terminada, não resta
vestígio algum? É só o ato incompleto, quer verbal, quer físico, que
deixa vestígio. A reação desse vestígio, que é memória, chama-se
pensar. Ora, pode haver um estado no qual não existe o ontem, isto é,
pode haver um estado em que não haja tempo, em que não haja pensamento
que seja o produto do ontem? O pensamento condicionado, que procura
modificar ou transformar a si próprio, apenas continua o estado
condicionado. Isso é bastante óbvio. Pensar é reação da memória, o que
também é bastante óbvio. E a memória é o produto da imperfeita
compreensão da experiência, do estímulo. A imperfeita compreensão da
existência é a causa da memória. Quando fazeis uma coisa
integralmente, com todo o vosso ser, não fica resíduo algum da
memória; mas quando o resíduo produz a reação, a essa reação chamamos
pensar. Esse pensar é condicionado, e esse condicionamento só pode
terminar quando o ato é completo. Enfrentais, então, todas as coisas
de maneira nova.

Como enfrentar as coisas de maneira nova? Como enfrentar a vida, a
existência por maneira nova, independente do tempo? Esta é uma nova
questão, não é verdade? É a questão que surge da presente pergunta. Ao
apresenta-vos esta nova questão, qual é a vossa reação? Se vossa
reação é também nova, estais então passivamente cônscio, alertado,
vigilante. Esse estado é atemporal. Nesse estado, em que enfrentais
todas as coisas com passiva vigilância, percebimento, não existe o
tempo; dá-se uma experiência direta, o estímulo é compreendido
diretamente; por conseguinte, há liberdade de pensar. E essa liberdade
é eterna; ela existe agora, e não amanhã.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s