Arquivo | maio 2007

Igreja Medieval

Igreja de ‘Código Da Vinci’ acha código secreto

A igreja escocesa que aparece no romance best seller "O Código Da Vinci" revelou outro mistério oculto por quase 600 anos. Pai e filho que ficaram fascinados pelos símbolos gravados nos arcos da capela disseram ter decifrado uma partitura musical escondida ali.

Thomas Mitchell, um músico de 75 anos e ex-criptógrafo da Força Aérea Real, e seu filho Stuart, compositor e pianista, descreveram a peça como "música congelada". "A música foi congelada no tempo pelo simbolismo", escreve Mitchell em seu site (www.tjmitchell. com/stuart/ rosslyn.html) , que traz detalhes do projeto de 27 anos para decifrar o código da capela.

"Era só questão de tempo até que o simbolismo começasse a se revelar e a fazer sentido para a percepção científica e musical." A Capela Rosslyn, do século 15, que fica a cerca de 11 km ao sul da capital escocesa, Edimburgo, aparece na última parte do livro "O Código Da Vinci", de Dan Brown.

Stuart Mitchell disse que ele e o pai ficaram intrigados pela gravação nos arcos da capela, onde há 13 anjos músicos e 213 cubos que formam padrões geométricos. "Eles são tão lindos e tão finamente detalhados que pensamos que poderia haver uma mensagem ali", afirmou à Reuters.

Anos de pesquisa levaram os Mitchell até um antigo sistema musical chamado cimática, ou padrão Chladni, formado por ondas sonoras em afinações específicas. Os dois homens ligaram cada padrão dos cubos gravados a uma afinação Chladni, e finalmente puderam descobrir a melodia.

Os Mitchell batizaram a peça de "O Moteto de Rosslyn" e a completaram com a letra de um hino contemporâneo. Eles também já agendaram uma estréia mundial na capela, em 18 de maio, quando quatro cantores acompanhados por oito músicos interpretarão a peça usando instrumentos medievais.

Simon Beattie do Fundo da Capela Rosslyn disse ter ficado felicíssimo com a solução do mistério e intrigado com a música. "Não é algo que você vai ouvir no carro, mas certamente é uma peça interessante. Tem uma sonoridade medieval", afirmou.

Reuters

Anúncios

Transtornos Emocionais

TRANSTORNO EMOCIONAL uma das principais causas de sofrimento para o ser humano: a dependência afetiva.

Assim como o dependente químico, cujo organismo se desestrutura quando lhe é retirada a droga, o equilíbrio emocional do dependente afetivo entra em colapso quando ele é afastado da pessoa de quem se tornou dependente.

A separação, por abandono ou por morte do ser amado, tira-lhe o chão e faz com que ele perca toda a base onde apoiava sua vida.
Como se estrutura a dependência afetiva?

Na base desse transtorno está uma profunda carência afetiva, uma falta de nutrição emocional que se originou em sua história de vida. Pais ausentes, pais negligentes, ou aqueles excessivamente rígidos e incapazes de demonstrar afeto, estão geralmente presentes na história do dependente afetivo.

Todos nós aprendemos desde muito cedo, que dependemos de nossos pais (verdadeiros ou simbólicos) para que tenhamos atendidas nossas necessidades básicas. Esse reconhecimento nos leva a perceber precocemente o quanto nossos comportamentos geram uma reação, seja positiva (de estímulo) ou negativa (de punição), por parte daqueles que amamos e dos quais somos dependentes.

Com o passar do tempo, se tivermos um desenvolvimento adequado de nossa auto-estima e autoconfiança, essa dependência irá se diluindo, e passaremos a estabelecer relações onde possamos ter reconhecido o respeito à nossa individualidade.

Quando isto não ocorre, o desenvolvimento emocional se dá de forma desequilibrada e a pessoa seguirá pela vida estabelecendo relações afetivas onde predominam a insegurança e a dependência.

Ela passará a condicionar seu comportamento sempre de modo a obter a aprovação daquele a quem quer agradar. Nos casos extremos, vemos pessoas submetendo-se a humilhações, abusos, explorações e toda sorte de desrespeito, simplesmente para garantir que o ser amado não as abandone.

Assim como o único caminho para a cura da dependência química é reconhecer que se trata de uma doença, para o dependente afetivo também é essencial reconhecer que sofre de um transtorno emocional grave, que pode lhe trazer muito sofrimento.

O segundo passo é buscar ajuda, pois sozinho dificilmente alguém consegue vencer o problema. A força de vontade e o desejo de superar o problema são fundamentais neste processo. Sem eles, nada poderá ser alcançado.

Reconhecer suas qualidades e talentos, sem necessitar do aval do outro para sentir-se alguém especial, é a meta a ser alcançada. A partir do momento em que estabelecemos claramente quais os valores e princípios que queremos ver respeitados em nós, não mais permitiremos qualquer forma de abuso ou desrespeito por quem quer que seja.

Amar-se e desejar para si sempre o melhor, é a única forma de evitar que a dependência afetiva o torne refém daquele a quem você julga amar. Muitas vezes aquilo que acreditamos ser amor, não passa de medo da solidão e de nossa incapacidade de sermos nossos próprios nutridores emocionais.

Quanto maior for nossa capacidade de vivermos bem sozinhos, mais preparados estaremos para a convivência com o outro.

 

Elizabeth Cavalcanti é Taróloga, Astróloga,
Consultora de I Ching e Terapeuta Floral.

Qualidade

Olá Irmãos de Fé.

Como Atingir um trabalho "de qualidade".

Um personagem de Moby Dick, a magnífica obra-prima de Herman
Melville, diz com orgulho: "Não me agradam os trabalhos que não
sejam bem-acabados, limpos, precisos, como devem ser. Algo que
comece regularmente do princípio, que ao meio esteja na metade e, no
fim, esteja concluído". Essa é a definição mais lúcida do conceito
de qualidade.
O preço de um automóvel não depende nem de seu peso nem de sua
cilindrada. Para um mesmo peso, existem carros que custam quatro
vezes mias que outros. Para uma mesma cilindrada, há carros que
custam 2,5 vezes mais que outros. O que faz a diferença é
a "qualidade": uma palavra que, a partir do Renascimento tem sido a
chave de todo o sucesso. Dizemos que um produto é "de qualidade"
quando é confiável e não nos deixa na mão; quando é prático no uso e
surpreendentemente no desempenho. Quando basta dar uma olhada para
perceber que é bom, bonito e bem-feito. Observe um iPod, da Apple,
um vinho Sassicaia, um objeto dos irmãos Campana, uma roupa de Lino
Villa Ventura, um edifício de Oscar Niemeyer ou de Paulo Mendes da
Rocha; ouça um concerto da Filarmônica de Viena e você saberá o que
é qualidade.
Dizemos que uma empresa ou uma instituição é "de qualidade" quando,
do topo à base, todos que nela trabalham querem alcançar a
excelência; quando a atenção dada à qualidade não é considerada um
custo, mas um investimento. Quando os relacionamentos com
fornecedores e clientes se baseiam na máxima satisfação recíproca;
quando os trabalhadores são motivados por seu emprego; quando o
ambiente é tranqüilo. Passeie pelas salas do Museu Guggenheim em
Bilbao, na Praça Potsdamer, em Berlim, perambule pelos corredores
dos ministérios em Pequim e visite os restaurantes da moda em Paris.
Então você compreenderá como e por que seres humanos procuram a
excelência, uma fonte inesgotável de prazer sublime.
Dizemos que nosso trabalho é "de qualidade" quando o ambiente físico
em que ele se desenvolve é agradável, apropriadamente equipado e
adequadamente climatizado; quando as tarefas são envolventes, os
resultados alcançados, chefes e colegas se estimam e a retribuição é
gratificante. Observe o trabalho de uma equipe da Ferrari ou de um
pesquisador do MIT e você vai entender por que esses empreendimentos
são tão brilhantes.
Dizemos que nossa vida é "de qualidade" quando ela permite
satisfazer as necessidades básicas de amizade, lazer, amor,
privacidade, meditação e convívio. Observe a qualidade de vida em
cidades como Praga, Olinda, Salzburgo e compreenderá por que milhões
de turistas vão visitá-las a cada ano, movidos pelo desejo de
admirar a arte, desfrutar a natureza, compreender a vida. Mas a
qualidade não é obtida de uma vez por todas. É uma conquista efêmera
que exige atenção constante e dedicação apaixonada.
Para manter uma alta qualidade, é necessária a ação continua de
muitos fatores. É requerida a criatividade, que, por sua vez, é uma
síntese mágica da imaginação para produzir idéias e da força de
realizá-las. É preciso ter uma dimensão global para ser apreciado no
mundo todo, sem abrir mão de conservar a dimensão local. É
necessário unir a ética com estética para dar alegria e segurança.
Exige uma boa relação com o tempo para evocar o passado e antecipar
o futuro. Enfim, para conseguir que os produtos de nosso trabalho e
a experiência de nossa vida sejam "de qualidade" é necessário ter a
coragem de nos renovar continuamente. Como disse Gilberto
Freyre: "Se depender de mim, nunca ficarei plenamente maduro, nem
nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto,
experimental".

Revista Época, 07/05/2007, nº. 468, pág. 58, Nosso Tempo, Domenico
De Masi.

Um saravá amigo.
Octavio.

Mensagem recebida da lista Isis do Yahoo Grupos

Abandonando a Necessidade de Controle

Todos nós temos tendência em querer controlar o Universo à nossa volta e o simples sentimento de que não possuímos o controle de uma situação, faz-nos entrar em contato com vibrações mais densas, não construtivas. Pensamentos negativos, atitudes impensadas, sentimentos e emoções desequilibradas.

Não necessariamente, aquilo que desejamos é o mais apropriado para o nosso direcionamento evolutivo, mesmo assim vibramos em relação ao que desejamos de forma intensa, entrando em um estado de ansiedade em relação àquilo que criamos expectativas de concretização, este tipo de atitude, pode obscurecer e até, interferir naquilo que nos é essencial, gerando desconforto, sofrimento e medo.

Temos medo de não realizar todas as nossas vontades e expectativas, ele aumenta ou diminui, conforme o grau de importância em relação àquilo que desejamos. A necessidade de controle é decorrente do medo, pois ambicionamos manipular todas as possibilidades de um acontecimento por temer que ele não se concretize da maneira que desejamos. Desde novos aprendemos que devemos correr atrás de nossos sonhos, que tudo que acontece em nossas vidas é fruto de nossa busca incessante de métodos para viabilizar a realização dos nossos desejos. Ferramentas de busca para saciar a nossa ilusão de onipotência e  onipresença.

A cobrança em relação a essa atitude é enorme, e o medo da não realização, associado ao de ser cobrado, mesmo que essa cobrança parta do próprio indivíduo, faz com que ele entre em um ciclo vicioso de expectativas, ansiedades e sofrimentos. O tempo de latência entre a criação de um desejo e a sua concretização pode ser bem sofrido, isso se a consolidação vier a acontecer. Não é errado lutarmos por aquilo que desejamos, ter força de vontade para buscar aquilo que se deseja é louvável e admirável. Sendo que, não podemos esquecer que tudo nessa vida tem seu tempo de criação, o Universo tem o seu ritmo, respeitar e vivenciar este ritmo é premente para a nossa busca, liberte-se!

Por Rogério Pires, mensagem recebida pelo orkut